Governo do Estado de Minas Gerais e Natura Musical apresentam
EN ES PT
Música Mundo
Programa Inspire
Entrevistas
Mini Cursos
MM Sessions

Programa Inspire

O que é?

Um laboratório de Desenvolvimento de Carreiras Musicais do Música Mundo que irá oferecer um trabalho aprofundado de desenvolvimento profissional com foco na gestão de carreiras musicais e comunicação digital.
O Programa Inspire é composto por sessões de consultorias e de colaboração para artistas e empreendedores.

Como inscrever-se?

O programa terá duração de um ou três meses com encontros online.
Participantes podem se inscrever em três modalidades: (A) INSPIRE; (B) INSPIRE Pocket; (C) INSPIRE Casas de Show.
Veja abaixo os detalhes das três modalidades do Inspire e os links para as inscrições.
É imprescindível ler e concordar com a convocatória para que a sua inscrição seja considerada.

Inspire

  • 03 meses
  • 12 encontros
  • Consultorias especializadas
  • 20 carreiras musicais mineiras e nacionais

Inspire Pocket

  • 1 mês
  • 4 encontros
  • Panorama geral sobre gestão musical
  • 10 bandas mineiras

Inspire Casas de Show

  • 3 meses
  • 13 encontros
  • 15 casas de show mineiras e de estados limítrofes (BA, GO, SP, RJ, ES)

Os encontros serão realizados nos meses de março, abril e maio de 2021, sempre às segundas-feiras. Todas as atividades serão online e os participantes devem possuir uma conta do gmail.
As inscrições estarão abertas entre os dias 14 de Janeiro a 7 de Fevereiro de 2021 (até às 23:59, horário de Brasília).
Para conhecer todos os detalhes das três modalidades do Inspire acesse a convocatória completa.

Time de Consultores

Inspire DaniRibas
Inspire DaniRodrigues
Inspire LíviaRangel
Inspire Julianna
Inspire Pocket + Inspire Casas de Show LeoMoraes
Inspire Casas de Show GuilhermeThiesen
Inspire Casas de Show LetiRezende
close

Sempre às terças-feiras, de 20hs às 22hs. Com transmissão no nosso canal do YouTube

19 Jan

Beto Barreto (Baianasystem)

por Luciano Matos

O jornalista musical, DJ e produtor Luciano Matos, à frente do site El Cabong, do programa de rádio, podcast e festival Radioca e da festa Baile Esquema Novo, entrevista Beto Barreto, do BaianaSystem. Guitarrista com longa trajetória no mercado musical baiano, Beto já integrou a Timbalada, foi idealizador do Lampirônicos, tocou com Ramiro Musotto e criou o BaianaSystem para manter vivo um dos instrumentos mais típicos de sua terra: a guitarra baiana. Um bate-papo que vai do samba reggae à guitarra baiana, com pitadas de produção musical africana e jamaicana.

Beto Barreto (Baianasystem)
Luciano Matos

26 Jan

Tamara Franklin

+ Winy Mangabeira

por Sandrinha Flávia

Elas na Produção

Sandrinha Flávia, jornalista, colaboradora da Revista Canjerê, integrante do coletivo Lena Santos (coletivo de jornalistas negros) e idealizadora do projeto Raça Models, entrevista a cantora Tamara Franklin, expoente da música brasileira atual, e a sua produtora Winy Mangabeira. Um bate-papo sobre a representação da mulher no hip hop, a música como forma de militância, a mulher na cena musical independente, o papel da gestão administrativa e jurídica e o marketing digital como forma de expansão.

Tamara Franklin
Winy Mangabeira
Sandrinha Flávia

02 Feb

Kdu dos Anjos

+ Carla de Lá

+ Negona Dance

Lá Da Favelinha: a dança, a moda e a música

Um bate papo com Kdu dos Anjos, Negona Dance e Carla de Lá. Negona Dance é estudante de dança da UFMG e integrante do Observatório das Quebradas, um coletivo político cultural de defesa da cultura afro-periférica urbana. Kdu dos Anjos é artista plural, fundador do Centro Cultural La da favelinha, cantor e compositor. E Carla de Lá é a primeira costureira do Remexe Favelinha, projeto reconhecido internacionalmente. Nesta entrevista, es integrantes do Lá da Favelinha, uma importante organização artístico-cultural do Aglomerado da Serra, conversam sobre a moda, a dança e a música que fluem do potencial artístico dos integrantes do Centro Cultural.

Kdu dos Anjos
Carla de Lá
Negona Dance

09 Feb

Jupi do Bairro

+ Gali Galó

+ Coral

por Gigi Favacho

A diversidade como linguagem artística

A insurgência das pautas identitárias e a crescente representatividade da comunidade LGBTQIAP+ trouxe para o centro da música performances, letras, temáticas e estéticas muito próprias, e que acentuam ainda mais o atravessamento de outras artes na música. Será que o espectro da diversidade criou uma linguagem artística para chamar de sua? Gigi Favacho (MG), produtora e ativista de gênero e sexualidade, idealizadora da Divina Maravilhosa, festa selo de representatividade artística de LGBTQIAP+, coordenadora artística da Virada Cultural de Belo Horizonte, troca essa ideia com Jup do Bairro (SP), Gali Galó (SP) e Coral (BA). Jup é artivista, cria do Capão Redondo, dupla com Linn da Quebrada e, em junho de 2020, se jogou na carreira solo com seu primeiro álbum que estampa de cara o assunto que lhe importa agora: Corpo sem Juízo. Gali Galó é artista não-binárie, que, junto com outres artistas, lançou o Queernejo: a diversidade dentro de um dos gêneros musicais mais acessados pela normatividade. Coral é uma das novidades vindo por aí via selo Natura Musical; é artista não-binárie de Jequié (BA) radicade em Belo Horizonte, com uma história de vida nômade tocando em bares das praias do nordeste, de onde herda as mesclas de maracatu, coco, reggae, samba e Ijexá com o bom e novo pop.

Jupi do Bairro
Gali Galó
Coral
Gigi Favacho

23 Feb

Aline Frazão

+ Dino D’Santiago

+ Sérgio Pererê

por Brisa Marques
Excepcionalmente às 16h

Lusofonia: vozes além da língua

Nesta entrevista, Brisa Marques, artista e jornalista mineira, conversa com Aline Frazão, Dino D’Santiago e Sérgio Pererê, artistas representantes da cultura lusófona contemporânea, para reflexões com artistas que têm muito em comum além da língua. Como pensar o mercado e sua conexão com nossas raízes? Como o território lusófono pode ser um eixo possível e expandido no mundo? Como criar parcerias e caminhos autônomos para a sustentabilidade da música e da arte em geral? Como transitar e criar projetos colaborativos? Como colocar as reflexões em prática? Uma troca de ideias para aproximar afetos, culturas e pensamentos.

Aline Frazão
Dino D’Santiago
Sérgio Pererê
Brisa Marques

02 Mar

Paulo Correa

por Bia Nogueira

O caso Djonga: Gestão de carreira musical e interseção com outras linguagens artísticas

Nesta entrevista, Bia Nogueira, cantora, compositora, atriz, diretora, preparadora vocal e produtora, conversa com Paulo Correa, produtor do consagrado Djonga e da banda A Quadrilha. Um bate-papo sobre estratégias de carreira, o impacto da pandemia em uma das principais fontes de renda do artista, os shows, e as perspectivas pós-pandemia para o fomento e difusão da arte. Bia é idealizadora e artista do Coletivo Imune, uma das coordenadoras do Festival Sonora, integrante da banda Yônika e da companhia teatral Grupo Dos Dez. Em 2020 gravou, como participação especial, na primeira faixa “O Cara de Óculos” do álbum “História da Minha Área” de Djonga.

Paulo Correa
Bia Nogueira
Sempre às quartas-feiras, de 19hs às 21hs. Com transmissão no nosso canal do YouTube e inscrições abertas para participação (a retirada dos ingressos deverá ser feita em até 30 min antes).

03 Feb

Mário Di Poi

Mercado de Sincronização Musical

Neste mini-curso, Mário Di Poi aborda de forma objetiva o mercado de sincronização de música no Brasil e no exterior a partir de questões como: quais são os pontos de entrada para artistas iniciantes no mercado de sincronização? O que pode ser feito para serem criadas mais oportunidades para artistas experientes?

Tópicos:

  •     O tamanho do mercado da música gravada
  •     Modelos de negócio e contratos de sincronização
  •     Agentes e Representantes de Sincronização
  • Principais ferramentas de licenciamento e sincronização de música do mercado audiovisual (Sync Reps/Agentes de sincronização e bibliotecas)
  •     A importância dos Music Supervisors
  •     Execução Pública no Brasil

 

Mário Di Poi é co-fundador e produtor executivo na INPUT | artesonora, produtora brasileira especializada em finalização de som e supervisão musical para audiovisual e na MAFFIA.io, um atelier audiovisual para narrativas em filme, 360º e VR. Mário já participou de mais de 200 projetos audiovisuais entre projetos interativos, longa, curta e média-metragens, séries para Netflix, Amazon, Disney Channel, NatGeo, Discovery, Arte [fr], TV Brasil, Rede Globo, TV Cultura e outros. É o diretor de programação do evento Brasil Music Summit, a primeira conferência no Brasil especializada em sincronização de música e exportação. Dentre suas principais atividades, faz parte do comitê do audiovisual da ABRAMUS, é mentor do SXSW, o maior festival de economia criativa do mundo, e faz parte do comitê gestor das principais associações do setor audiovisual e da indústria da música no Brasil: BME – Brasil Music Exchange, BRc – Brazilian Content (BRAVI – Brasil Audiovisual Independente).

Mário Di Poi

10 Feb

Guta Braga

Introdução ao Direito Autoral

As plataformas digitais trouxeram muitas oportunidades para os artistas independentes, mas também muitos desafios. O consumo de conteúdo nas plataformas de streaming segue crescendo e gerando receita. É cada vez mais importante conhecer o mercado, a legislação, como funciona o fluxo de receita, contratos, editoras, agregadoras e selos. 

Tópicos:

  • Introdução ao direito autoral
  • Como receber seus direitos
  • Onde está a receita e como arrecadar
  • A importância do ISRC

 

Guta Braga atua há mais de 20 anos no mercado da música. Atualmente presta consultoria para artistas, autores, selos e  empresas de tecnologia. Trabalha com algumas empresas, tais como Backoffice e Laboratório Fantasma. Criou, em 2012, sua empresa e um grupo homônimo no Facebook, MÚSICA COPYRIGHT E TECNOLOGIA, ponto de encontro para quem quer ficar por dentro do mercado. Além disso, fundou com amigos queridos o FastFoward, podcast imperdível sobre a indústria.

Guta Braga

24 Feb

Nathy Faria

Produção de conteúdo para redes sociais

Este curso ajuda artistas e empreendedores musicais a desenvolverem uma estratégia de produção de conteúdo eficiente e a usarem as redes sociais a seu favor. Qual a importância da produção de conteúdo na formação de audiência e divulgação da música?

Tópicos:

  •     Para que serve produzir conteúdo
  •     Desenvolvimento de um planejamento de postagens
  •     Criação de um calendário editorial
  •     Produção de conteúdo sem parar e sem pirar

 

Nathy Faria é artista, empreendedora, mestre em Economia Criativa e Gestão Cultural pela URJC Madrid e mestre em direção de Marketing Digital pela Universidad Europea Miguel de Cervantes. Atua como consultora de music business desde 2014 e de lá pra cá já trabalhou diretamente com centenas de artistas no planejamento de marketing, consultorias e mentorias. Atualmente dirige a La Otra, produtora musical na Espanha, e é consultora do master de indústria musical da DJP Music School. Além disso, ensina empreendedorismo e marketing musical para artistas e empreendedores musicais através da #EscoladaNathy, projeto que teve início em 2020 e já conta com mais de 1.000 alunos inscritos.

Nathy Faria

03 Mar

Pedro Cambraia (Cido)

Iniciação à mixagem

Afim de propor uma visão mais aberta sobre a mixagem, o curso de mix básico, ministrado pelo produtor Pedro Cambraia (Cido), será baseado em 5 grandes pilares que regem o processo da mixagem. Depois de um bate-papo filosófico sobre música em geral para expor as importâncias e os pesos de cada um desses pilares, Cido propõe um trabalho prático de aplicação do conteúdo num projeto de mix.

 Tópicos :

  •     Balanço de volume
  •     Equalização
  •     Dinâmica
  •     Efeitos
  •     Espaço
  •     E mais um elemento surpresa

 

Desde de 2004 atuando como músico, Pedro Cambraia, mais conhecido como Cido, ou Cidoca, começou sua carreira no mundo da música com apenas 14 anos, como guitarrista e vocalista da banda Utopia. Como músico fez parte da banda Ménage e hoje faz parte do Radio Exodus. Cursou Engenharia elétrica na UFMG e se especializou em telecomunicações e áudio. Durante esse período, começou a se envolver com a área técnica da cultura, atuando como técnico de som (P.A. e monitor) e como produtor musical. Como técnico de som trabalhou para bandas como: Di Melo, Hot e Oreia, DV Tribo, Djonga, Graveola, dentre muitas outras e participou de turnês nacionais e internacionais com as bandas Dibigode e Rosa Neon, indo até para Pequim com o grupo Dibigode em 2016. Como produtor já trabalhou com grandes nomes que estão se despontando na cena mineira como: Rosa Neon, Lamparina e a Primavera, Nath Rodrigues, Laura Sette, Fenda e Coletivo Imune.

Pedro Cambraia (Cido)

10 Mar

Pablo Lamar

Introdução à pós-produção de som para cinema

O curso propõe uma abordagem geral das diferentes etapas que compreendem o processo de finalização sonora de um filme, dando uma noção básica de todo o processo. O software utilizado para exemplificar será o Pro Tools. Durante o curso, haverá trechos de filmes a fim de demonstrar a construção e usos dos recursos sonoros.

Tópicos:

  •     Análise de aspectos da captação de som em set de filmagem (Som Direto)
  •     Foco no processo de pós-produção de som, desde a recepção do material do editor de imagem até a mixagem final
  •     Compreensão das diferentes famílias que compõem a banda sonora de um filme – como diálogos, dublagens, efeitos, ambiências, foley e música

 

Pedro Lamar nasceu em Assunção, no Paraguai, e estudou direção cinematográfica na Universidad del Cine de Buenos Aires. Em 2011, mudou-se para o Brasil e desde então trabalha na área de som com importantes realizadores locais.

Filmografia em destaque na área de som nos últimos 5 anos:

  •     Chico ventana también quisiera tener un submarino, (Uru, Bra, Arg, Fili, Hol) diretor Alex Piperno, Festival de Berlin 2020.
  •     A torre (BRA), dirigido por Sérgio Borges, Festival de Rio 2019.
  •     Chuva é cantoria na aldeia dos mortos (BRA/POR), dirigido por Renée Nader e João Salaviza, Festival de Cannes 2018 (Prêmio Un certain regard).
  • La omisión (ARG/HOL), dirigido por Sebastian Schajer, Festival de Berlin 2018, Panorama.

      Elon não acredita na morte, dirigido por Ricardo Alves Jr. (Prêmio de melhor som no Macao Intl Film Festival – 2017, e prêmio de melhor som na Bienal Internacional do Cinema Sonoro – 2017).

Pablo Lamar

17 Mar

Luiz Rocha

Presença de cena para artistas da música

Neste  mini-curso, Luiz Rocha trabalhará a ampliação da atenção para o corpo na cena, o instrumento musical como extensão do corpo físico. Além disso, a partir da experiência de cada participante, o objetivo será organizar e explorar o repertório de movimento de cada um para o entendimento do gesto como linguagem. A partir do pensamento do espaço, a ideia será ampliar a própria percepção do(a) artista com o palco e ampliar a experiência com o público. Cada espaço, cada palco pede uma abordagem nova. Serão pensadas e trabalhadas alternativas e estratégias na concepção de um show, a temperatura, a cor e as escolhas estéticas, invisíveis para o público, mas que geram energia para a condução da apresentação. Além disso, também serão abordadas noções básicas de todas as questões técnicas de uma apresentação: som, luz, figurino, e como melhor usá-las. Em relação ao formato live, Luiz Rocha trabalhará e apresentará formas e possibilidades para obter recursos simples e criativos e ampliar a performance neste formato a partir de enquadramentos, iluminação, som e formatos de transmissão.

Tópicos:

  •     Percepção corporal
  •     Repertório de movimento: o gesto como linguagem
  •     Pensamento do e sobre o espaço
  •     Questões técnicas de apresentação: som, luz, figurino, e como melhor usá-las
  •     O formato live

 

Luiz Rocha é cantor, compositor, ator e diretor. Desde 2001 compõe trilhas sonoras para teatro, cinema e dança. Com mais de 15 anos de carreira, Luiz já dividiu o palco com artistas como Arnaldo Antunes, Jorge Mautner, Bem Gil, Letícia Novaes, Bárbara Eugênia, Gabriel Villela e Grupo Galpão. Em 2018 lançou seu novo trabalho, RASTRO QUENTE: Um EP com 4 canções de sua autoria, com produção de Leonardo Marques e gravado no estúdio Ilha do Corvo em BH. Em 2019 estreou a cena Projeto Poema – Um Manifesto Poético Para os Tempos Sombrios com direção de Lydia Del Picchia no La Movida Microteatro em Belo Horizonte. Em 2020 estreou na televisão como Onésio na série Hit Parade do Canal Brasil, com direção de Marcelo Caetano.

Luiz Rocha

24 Mar

Erika Ziller

Introdução à produção executiva de eventos

Nesse mini-curso sobre produção, Erika Ziller, da Arreda Produções, vai contar um pouco da sua experiência como produtora de eventos de pequeno a grande porte.

Tópicos:

 

  •     Do briefing à planilha
  •     Visita técnica e mapa do evento
  •     Equipe de um evento e suas funções
  •     A importância de ter parceiros e não apenas fornecedores
  •     Organização, a palavra chave de um bom produtor
  •     Dicas para coordenação de logística dos artistas
  •     Relatório pós-evento

Erika Ziller é formada em Publicidade e Propaganda pela UNI-BH e pós-graduada em Cultura, Crítica e Produção pelo IEC/PUC Minas. Desde 2002 atua como produtora de eventos, principalmente nas áreas de produção executiva e logística de artistas. Dentre os eventos já produzidos estão: Fatboy Slim, The Ultimate Figthing Championship (SP), Anitta, Red Bull Latitude Zero (Macapá), David Guetta, Creamfields, Tribe, XXXperience, Festival Planeta Brasil, O Rappa, Tiësto, Phoenix, Armin Van Buuren, kubik BH, Facebook Summit (SP), Música Mundo, Savassi Festival, Os Titãs, Elvis In Concert, logística do Iron Maiden, entre muitos outros. À frente da Arreda Produções, idealizou e produziu eventos voltados para bandas autorais e independentes mineiras como: Festival Solitude, Festival Viva, Festival Expoente – Tardes Musicais na Casa do Baile, Modular, Fita K7, Wäls Sessions e Sonoro.

Erika Ziller

31 Mar

Jeffim daBazi

Produção cultural em regiões periféricas

Este mini-curso traz maior conhecimento e dicas de como realizar eventos fora do eixo das grandes produções da cidade. Ações em regiões periféricas requerem necessidades que vão além do mundo tradicional da cultura. Por isso, o agente cultural do Conjunto Santa Maria, fundador e cantor dos projetos DaBazi, Bloco Swing Safado e 12duoito, Jefferson Ciriaco, vai compartilhar suas vivências como produtor e morador de periferia, representando há anos em Belo Horizonte o movimento cultural dentro das favelas da cidade.

Tópicos: 

  • Adequar o projeto as demandas do local 
  • Mobilizar os moradores, ativistas e coletivos culturais da região
  • Visita técnica e mapa do evento
  • Viabilidade e possibilidades de recurso 
  • Ativação das redes de parceiros, artistas e colaboradores
  • Planilha de base e planilha de extras
  • Estratégias de logísticas do evento
  • Licenças, alvarás 
  • Segurança, limpeza e cronograma 
  • Impacto e relatório final

 

Jefferson Gomes Ciriaco é cria da comunidade do Conjunto Santa Maria, localizada na periferia de Belo Horizonte. Mora em uma casa coletiva que oferece aulas de percussão e música. Desde a infância até hoje, sua casa é um agente cultural ativo dentro da comunidade. É fundador e cantor do Bloco de carnaval Swing Safado, 12duoito e produtor do festival da Quebrada. Fez ensino na Escola Estadual Central, participou do Projeto Arena da Cultura e começou a se ambientar na música nas rodas de samba da comunidade. Foi integrante da bateria da Escola de Samba Cidade Jardim e também passou pelo projeto Formação Pelo Tambor. Tem gosto eclético: vai da música afroamericana de James Brown e Michael Jackson às raízes brasileiras, como o samba, pagode, axé, funk e rap. Sua primeira banda foi ainda nos tempos de escola e teve seu início de carreira participando de concursos com bandas de poprock no final da década de 90.

Jeffim daBazi

MM Sessions

Sextas-feiras

às 20h

A experiência musical tem espaço especial no Música Mundo Conecta. Em um novo palco, claro. Por conta da pandemia do coronavírus, a sexta edição do MM, a primeira digital, adaptou seu cenário artístico para a natureza em meio às montanhas de São Sebastião de Águas Claras (Macacos). Para dar visibilidade a artistas de diferentes eixos da produção mineira, surge o MM Sessions: um programa web de seis episódios, em que os artistas poderão apresentar uma amostra de seus trabalhos e tê-los registrados, profissionalmente, em áudio e vídeo. As gravações serão feitas em um estúdio estruturado especialmente para a ação. Serão 18 artistas escolhidos pela curadoria do Música Mundo e os conteúdos audiovisuais serão apresentados todas as sextas-feiras a partir do dia 12 de março de 2021.

Ouça Playlist MM

close